terça-feira, 10 de novembro de 2009

Remexendo o Bau das Recordações

Um dia destes fui remexer nas memórias de infância. Não sei se fui impelido por uma força misteriosa, ou terá sido algum ataque de saudade.
Daí ter sacado do arquivo das recordações esta "preciosidade" e que segundo o registo (nome na contra capa) terá pertencido ao meu irmâo mais velho "José Manuel".
Este livro foi usado por ele na primária e depois como era normal nessa época passou para nós, os irmãos mais novos.
Um dos textos mais interessantes neste livro é o da introdução o qual passo a transcrever:

PORTUGAL:
PÁTRIA : Dá-se o nome de PÁTRIA à terra ou nação onde cada um nasce.
A pátria é como que uma grande família, onde todos têm os mesmos interesses e os mesmos costumes, onde todos falam a mesma lingua e em cujas veias corre o mesmo sangue.
PORTUGAL: A NOSSA PÁTRIA É PORTUGAL, porque ele nos viu nascer, nos serviu de berço, ouviu as nossas primeiras palavras e assistiu aos nossos primeiros passos.
PORTUGUESES: Todos os que nasceram em Portugal são portugueses e todos juntos formam uma grande familia.
Assim como em cada familia há um chefe, que é o pai, a quem todos respeitam e obedecem, também em cada pátria existe um chefe a quem se deve todo o respeito e obediência.
Esse é o chefe do Estado - que é o rei ou o presidente da Republica.
Em Portugal o chefe do Estado é o presidente da Republica.
Ele é o chefe, e todos nós somos como que irmãos, nesta grande e digna família portuguesa. E como irmãos nos devemos tratar, auxiliando-nos e amando-nos mùtuamente.
Depois de Deus, devemos, acima de tudo, amar a nossa Pátria, por ela sacrificarmos os nossos interesses e, se necessário for, darmos a própria vida.
A NOSSA HISTÓRIA:
Deus deu-nos a dita de termos nascido em Portugal - a mais bela de todas as pátrias.
Mesmo encostadinho ao mar, ao grande Oceano Atlântico, Portugal é um cantinho maravilhoso da Europa, como não há outro igual no mundo !
Esta linda Pátria não é nova, mas muito velhinha. Já tem oito séculos de idade, e a sua vida é tão cheia de glórias e virtudes, que todo o mundo inveja a sua história.
Na verdade a história deste nosso velhinho Portugal é conhecida no mundo inteiro.
E porque assim é, não há maior vergonha para um português do que desconhecer a maravilhosa história da sua Pátria.
Aqui a tendes, brilhante, maravilhosa e bela como nenhuma outra !
Ao lê-la ireis conhecendo os nossos grandes reis, os arrojados navegadores portugueses que descobriram mais de meio mundo, as virtudes dos nossos santos, tantos lutadores heróicos que deram a vida pela sua Pátria, todos aqueles, enfim, que honraram e glorificaram PORTUGAL !
Ireis encontrar, ao lê-la e estudá-la, alguns maus portugueses-felizmente muito poucos, indignos de usarem tal nome, os quais deveis esquecer, detestando as suas más acções.
Mas a apagar esses nomes tristes, tereis o prazer e o orgulho de conhecerdes muitos e muitos outros, que nos deram extraordinários exemplos de virtude, de amor e lealdade, como jamais foram vistos.
São estes exemplos que deveis seguir e imitar, para que vos torneis verdadeiros homens, úteis à Pátria, e dignos de usardes o honroso nome de
PORTUGUESES.

Olhem só o que a gente aprendia na primária...

1 comentário:

Jose Soares (cobrabtt) disse...

É verdade, esse livro foi o meu livro de História da Primária. Como vez no seu inicio ensina e ser "Português".
Se reparares em algumas partes do texto que transcreves aprece a frase "amar a nossa Pátria e sacrificarmos os nossos interesses" coisa que agora alguns Politicos não o fazem. Como remédio para os que não sacrificam os seus interesses aconcelho e devia de ser obrigatório alguns dos nossos doutos Politicos e governantes e até os gestores das empresas publicas a ter que ler esse livro que me ensinou as primeiras letras. Devia ser obrigatório a Leitura desse livro nas Universidades Portuguesas, para que os futuros Doutos, Governantes e Gestores saberem o que é ser Português. Já o mesmo não o desejo na questão "com o sacrificio da própria vida" pois aí nem os nossos Governantes queriam ser portugueses, acho que eles entregaraiam logo o BI e ate quase podia jurar que preferiam ser outra coisa qualquer, só para continuarem vivos e poderem continuar a Servir-se da Nação e não servir a Nação.
Teu Irmao
Zé Manel o que aprendeu a ser Portugues até mesmo com o sacrificio da própria vida, já que no meu juramento de Bandeira (aquando da tropa) assim o Jurei de braço estendido para o Estandarte Nacional.